segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Não daria

Não daria para dizer não depois de tudo que foi realizado, enfrentado e alcançado por ela,
Não depois de ela desenhar em seu rosto as marcas dos guerreiros mais bravos e valentes,
Trocar a roupa brilhante de festa pelas penas coloridas e colares de sementes,
Tirar o scarpin, pisar na terra vermelha e adornar sua cabeça com um cocar de cores vivas,
E de berrar, clamar e dar o mais agudo e violento grito de guerra.

Não depois de partir para a luta e retornar com a cabeça do inimigo nas mãos.

Já pronta para as comemorações, recebimento de condecorações e medalhas
Recebi a notícia pelo mensageiro, que ela iria festejar em outro povoado,
A fraqueza me tomou de assalto, minha capacidade de pedir sua presença esmoreceu,
Com certeza, teríamos outros festejos, exaltações e instantes de glórias para estarmos juntas,
E fiquei ali acocorada, quieta, emudecida, só com meu imaginário tolo e simplório.

Eu não tive coragem de verbalizar meu pensamento elástico e alegre,
Deixei fluir seu contexto de vida com suas conexões e expressões secretas e sagradas,
Era um pedaço de vida cheio de momentos sabidos e esperados,
Ela guerreou cada batalha e, merecidamente, venceu a faustosa guerra.


Fantasiando como poderia ter sido belo celebrar amplamente todas nossas narrativas,
Permaneci pacífica e sossegada ao ver o sequestro do meu sonho,
Sonho sonhado por incontáveis noites em preces e inúmeros dias sem fim,
Porém, eu não podia edificar meus sonhos mais sonhados impondo-lhe minhas vontades infantis,
Teria que (re)construir, lentamente, todo o registro da explosão da alegria que veria em seu rosto.


Precisei aprender, compreender e apreender o saber do seu "não-estar",
Resgatei forças dentro do meu surreal mundo para entender,
Que não se vive de um fragmento de momento, vive-se uma vida por inteiro,
Plantaria meus pés no chão naquela aldeia e vibraria com a nova tribo,
Os brotos de contentamento desabrochariam em luzes violetas.

E então a Mandala rodaria e emanaria toda a luz e o bem-querer para outra tribo distante,
De longe, mas bem de perto, o ritual seria compartilhado e o cerimonial cumprido,
O rito de passagem, transição de um período para outra vida seria sentido e ouvido,
Não só pelos rufar dos tambores mas também pelo estado de uma nova consciência,

Renascida como Fénix, alcançaria a lucidez de perceber que a iniciação através do ritual,
Com transformação mais profunda de personalidade da pequena Juçara,
Se dá, independente, do Pagé, se dá associado a uma missão cumprida,
Ricamente tatuado pelas imagens que serão para sempre mantidas no consciente,
Com toda a linguagem, simbolismo e sonoridade debruçadas e embutidas na ocasião.

Situaria e sintonizara meu EU como instância de desconhecimento e descontentamento,
Ilusão, alienação, Psique egoísta e sede do meu infinito narcisismo,
Introspectaria que a roda gira e o signo mais real, o significante
Precede e determina o significado.

Não, não daria!!

Um comentário:

Clarissa Chastinet disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.